No livro "Retórica dos Silêncios Normativos & Lacunas no Direito", resultado de minha dissertação de mestrado, trabalho aspect...


No livro "Retórica dos Silêncios Normativos & Lacunas no Direito", resultado de minha dissertação de mestrado, trabalho aspectos teóricos relacionados à filosofia retórica, em especial a ideia de que tudo é uma construção discursiva, permeada de ethos (autoridade de quem fala), pathos (forma de se comunicar) e logos (conteúdo do discurso). No livro, projeto tal marco teórico na temática de "lacunas do direito" na obra de Kelsen. A obra é teórica e pode ajudar quem tem interesse em dominar mais assuntos relacionados à lógica, à argumentação e à persuasão. A obra foi publicada pela Editora Juruá e está disponível no seguinte link:

Quem tiver interesse em estudar com maior grau de rigor a retórica - o que se aplica à retórica jurídica - pode ler o livro Retórica de Aristóteles, os 4 tomos do "Institutio Oratoria" de Quintiliano e os discursos e a obra de Marco Túlio Cícero. Há outras diversas obras interessantes, como o famoso discurso "A oração da coroa" de Demóstenes (considerado o maior orador da história), que posso indicar a quem tiver interesse.


Procuro utilizar esses aportes teóricos como professor no curso de prova oral. Algumas boas técnicas para o raciocínio sob improviso, que é o berço da boa oratória dos sofistas, são aplicadas há milênios e bem úteis em diversos contextos da nossa vida. Estudando o tema, percebe-se que a preocupação com a parte teatral (voz e visual - pronunciação ou actio), hipertrofiada atualmente, é apenas um aspecto da retórica, ao lado de outros, como a criação dos argumentos (inventione), disposição (dispositio) e elocução (elocutio). E, em cenários nos quais o discurso não está pronto, tal como sucede na prova oral, é importante identificar em que ponto o improviso não está funcionando, ao invés de gastar energia excessiva com o aspecto teatral, produzindo o fenômeno da "robotização" (comum no gestual e na velocidade da fala), da lenteza e da artificialidade na comunicação.

 


0 Comments: